O que sinto nas minhas crises de depressão e ansiedade

Oi gente tudo bem?



EU já falei algumas vezes aqui sobre a minha depressão, mas acho que nunca falei abertamente sobre o quão devastador é passar por uma crise.

Falar sobre os meus sentimentos é tão prazeroso, escrever sobre o que sinto é uma forma graciosa de exorcizar meus demônios, compartilhar sobre a profundidade arrebatadora de uma crise de depressão é, hoje, algo que posso escrever sem medo de julgamentos e isso se deve a uma comunidade maravilhosa na internet que vem desmistificando esse assunto, portanto, não me sinto um alienigena louco em falar essas coisas aqui. Espero que possa ajudar sinceramente a quem quer que seja.

Eu tenho depressão, há mais ou menos uns 8 anos, diagnosticada, na verdade há 5, no momento está numa fase 'controlada' sem uso de medicação e apesar de sentir muita falta eu também não faço terapia há uns dois anos (fiz quando mudei para Cachoeirinha e quando morava em Chapecó).

Hoje, acredito que consigo gerenciar melhor os meus pensamentos e não me deixo cair tão facilmente quando eles vem, mas isso não é uma tarefa fácil, muito menos algo que se consegue sozinho, então se você também tem pensamentos persistentes, negativos, depreciativos que não consegue parar de pensar procure ajuda, não tenha medo de pedir ajuda.

Aliado aos pensamentos insistentes, geralmente vem uma ansiedade absurda e um sentimento de insatisfação consigo mesmo, além da sensação de incapacidade de realizar tarefas simples. No meu caso isso acontece por exemplo quando tenho que fazer uma tarefa por obrigação apenas, como limpar a casa, eu não gosto de limpar e faxinar a casa, porém a sensação de que tudo está limpo e organizado é  satisfatória, mas o processo chato de fazer isso se torna absurdamente estressante e acabo muitas vezes procrastinando e claro ficando ansiosa.

Tudo que exige uma rotina muito rigida e regrada (especialmente com horários) também me deixa mais ansiosa e inclinada a crises, o que me leva a criar alternativas pra driblar a minha mente, como por exemplo ir aos mesmos lugares por caminhos diferentes, saindo em horários diferentes (minutos).

Pensamentos que me assombram, aparecem no meio da crise, como por exemplo, o que as pessoas podem pensar sobre mim a respeito de como eu sou (e geralmente a minha mente cria a ideia de que todos me odeiam), então eu respiro e digo pra mim mesma algo que aprendi com a minha terapeuta: "As pessoas não estão nem aí pra você Jeny e se estiverem, só você a apenas você sabe a dor e a delícia de ser o que é". Lembrar disso faz aliviar o pensamento sobre o quanto a possibilidade de julgamento alheio pode me afetar, e isso me fortalece.

Mas mesmo tendo meus jeitos de lidar com a minha mente deprimida e ansiosa as crises vem, geralmente em momentos de transição, mudança e pressão por decisões, ou mesmo quando sinto que as pessoas dependem diretamente de mim. As crises vem mais fortes, e diferente de muitos deprimidos pra mim não é em forma de choro já assim de primeira.

Fisicamente sinto uma grande pressão no peito, cansaço e exaustão, a mente trabalha mais lentamente e as vezes esqueço de coisas importantes, também sinto um desconforto com tudo, com coisas fora do lugar, com barulhos da rua, com qualquer coisa o que gera uma irritabilidade imensa, fico muito sensível e irritada com qualquer coisa.

Nesses momentos, vou ser honesta com vocês, nem eu me aguento e geralmente tenho que me isolar até que a crise passe. Durante bastante tempo eu me debruçava no trabalho pra acalmar a crise, mas isso na verdade piorava, pois gerava um ciclo de ansiedade e em dados momentos o isolamento social é terrivel quando se tem filhos, atualmente tento fazer outras coisas pra dispersar:


  • - Faço uma caminhada
  • - Fico uns minutos no sol
  • - Assisto videos de ASMR
  • - Faço uma hidratação no cabelo, ou uma maquiagem
  • - Assisto pessoas que gosto no youtube
  • - Assisto séries de TV
  • - Procrastino, evito realizar coisas que me estressam (tipo lavar a louça)
  • - Faço uns minutos de respiração e meditação.


Olha gente, nem sempre é fácil, ainda mais quando cai sobre a gente várias responsabilidades, como cuidar da casa, do filho, as vezes responsabilidades do trabalho, mas eu sei, hoje, que é FUNDAMENTAL fazer coisas que você ama e criar meios de aliviar o estresse e a ansiedade, para contornar as crises, obviamente cada pessoa é de um jeito e NADA substitui um tratamento psicológico\psiquiatrico, mas você pode se ajudar também fazendo coisas simples que podem melhorar seu estado.

Outra coisa importante, pelo menos pra mim, é passar pelas sensações, sem evitar "sentir aquilo" ou camuflar para que os outros não percebam, além disso tentar não se culpar por ser um deprimido te ajuda a respeitar melhor os seus sentimentos e suportar melhor. Aceitação também é uma coisa válida. Você nem sempre tem controle sobre tudo que sente.

Se você também é deprimido, minha primeira dica para superar, é procurar ajuda de um médico, aceitar os tratamentos propostos e aceitar o seu diagnóstico pra aprender a se tratar e se cuidar, a negação da doença com certeza é muito pior, o auto conhecimento é um caminho fundamental na minha opinião para encontrar meios de ter uma qualidade de vida melhor.

Cura para a depressão, na minha opinião é algo muito subjetivo. Mas dá pra viver bem com ela, se você se conhecer e aceitar o apoio de quem te ama, além de quebrar os tabus e o preconceito em torno da doença.

Religiosidade, fé, meditação, espiritualidade AJUDAM SIM MUITO.

E por fim, saiba que esses dias cinzas vão passar e você vai superar isso.
Força, paciência e calma.


E aí gata? Curtiu o post? Me conta o que achou, seu comentário é muito importante pra mim!  

 Jenifer Mendes 

          FACEBOOK           |           TWITTER          |            INSTAGRAM          
GOSTOU? Compartilha!


2 comentários

  1. Nossa parece meu retrato. Ando mais forte porém sei reconhecer os sinais. Eu me isolo mais um isolamento bom, Escuto música, faço um dia de beleza, saio para andar nem que seja para ir no mercadinho comprar umas frutas. Não tenho família. Convivo só com marido. A família dele , bem, me respeita mas nunca me acolheu sabe. Dai ser forte é minha única saída. E sei como a depressão pode ser devastadora se não cuidarmos. Lindo post bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo Marta, que bom que vc se fortaleceu, e que bom que a gente tem nossos amigos virtuais pra conversar, minha família também não é a mais acolhedora, mas procuro ser forte na medida que posso assim como vc. Bjss e conte comigo!

      Excluir

Obrigada por comentar, sugestões e opinões sempre são bem vindas! Se você também tem blog, deixa o link vou adorar conhecer!!